“As eleições se transformaram em uma corrida pelo dinheiro”, diz juiz Márlon Reis

Publicado em

Um dos idealizadores do Ficha Limpa, o magistrado fala de corrupção na política e no Judiciário, conta que já foi vítima de racismo e dá conselhos para os eleitores.

marlon reis 1

Inspirado pelo pai, mas sem nenhuma convicção. Foi desta forma que o juiz Márlon Reis iniciou sua carreira no Direito, optando pelo curso na hora da inscrição para o vestibular. Se faltou certeza no começo, sobrou coragem nos anos seguintes. O magistrado chegou a viver períodos sob escolta policial, devido a ameaças sofridas por conta do seu trabalho contra a compra de votos no Maranhão. Um dos idealizadores e redatores da Lei da Ficha Limpa, Márlon foi o primeiro juiz brasileiro a exigir, nas últimas eleições municipais, a divulgação antecipada dos nomes dos doadores de campanha, com base na Lei de Acesso à Informação.

A medida inspirou o Tribunal Superior Eleitoral, que a tornou obrigatória no país. O juiz é fundador e membro do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), que reúne entidades para lutar pela reforma política por meio de um projeto de lei de iniciativa popular. Crítico do financiamento privado de campanhas, Márlon, 44 anos, despertou a ira de parlamentares ao lançar em junho o livro O Nobre Deputado (Leya, 120 páginas), que pretende mostrar como nasce, cresce e se perpetua um corrupto na política brasileira. Nesta entrevista, o magistrado fala de corrupção na política e no Judiciário, conta que já foi vítima de racismo e dá conselhos para os eleitores.

Leia outras entrevistas do Com a Palavra


Como evitar que maus políticos se perpetuem no poder?

A dificuldade é o sistema eleitoral, porque a base do nosso modelo está assentada sobre uma permissividade grande quando se trata da origem dos recursos de campanha. O modelo de financiamento é muito ruim. Estabelece uma corrida pelo dinheiro, porque tem três defeitos que se somam para isso. O primeiro é a possibilidade de doações empresariais, inclusive com empresas que têm contrato com o governo. Além disso, não há um teto de arrecadação fixado em lei. Por fim, o modelo de prestação de contas é ruim, não permite à Justiça Eleitoral fazer a auditoria das contas. Tudo isso se somou para compor um modelo baseado no dinheiro. Então, as eleições se transformaram em uma corrida pelo dinheiro. É difícil fiscalizar, pois o sistema contempla essa mercantilização da política.


O Brasil tem uma das campanhas eleitorais mais caras do mundo, e a deste ano deverá ser uma das mais caras da história. Quais as consequências disso para a sociedade?

O comprometimento das futuras administrações e a composição dos parlamentos. Esse impacto será sentido nas decisões dos futuros governos, que levarão em conta, sim, a vontade dos financiadores. Temos casos de empresas que conseguem eleger bancadas financiando candidatos em praticamente todos os Estados. Com isso, formam-se grupos de apoio parlamentar. É uma grave distorção, porque o objetivo do parlamento e do governo é atender às necessidades da sociedade.
Em seu livro, O Nobre Deputado, o personagem Cândido Peçanha recebe uma “comissão” sobre o valor de emendas parlamentares e desvia verba de convênios para o caixa dois de sua campanha. Esse comportamento é regra ou exceção no Congresso?

Não sou capaz de afirmar. Entretanto, uma coisa é certa: há vários deputados eleitos com as práticas descritas no livro.
O que o levou a escrever um livro que pretende mostrar “como nasce, cresce e se perpetua um corrupto na política brasileira”?

O objetivo foi escancarar uma realidade que muitas vezes não é percebida. As práticas mais grosseiras não são realizadas à luz do dia nem estão submetidas a qualquer nível de transparência. Muitas são desconhecidas da sociedade. Meu objetivo foi expor as vísceras do lado obscuro da política brasileira. Essas pessoas não são políticos, são usurpadores.
O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, que entrou com uma representação contra o senhor no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), disse que o livro “desestimula o exercício da cidadania”. O que o senhor diria ao deputado?

Diria que o que desestimula o exercício da cidadania é a prática da corrupção, que é frequente no meio político. O livro se propõe a atacar essa prática e, portanto, fortalece a democracia. O objetivo é dar elementos para os verdadeiros democratas irem ao ponto certo, no que toca a mudança de legislação para sufocar esses comportamentos. A reação do presidente da Câmara deveria ser determinante para a abertura de um canal no Congresso para estudar o que está ali. Só que ele decidiu atacar quem estava revelando o problema. Isso é muito grave e antidemocrático.
A reforma política é a mãe de todas as reformas?

Não há outra reforma. Todas as demais pautas devem ser suspensas até que haja a reforma política. Quando falamos de reforma tributária, educacional, das normas administrativas e muitas outras reformas importantes que são reclamadas pela sociedade, todas estão comprometidas pela baixa qualidade do parlamento, que, por sua vez, é determinada pela baixa qualidade do sistema eleitoral brasileiro. Com eleições mercantilizadas como as nossas, temos uma composição muito ruim do Congresso Nacional, que desprestigia pautas importantes desde que não tenham alguma relevância econômica.
O senhor defende o financiamento público de campanha, com a possibilidade de doações de pessoas físicas. Esse modelo não possibilitaria aumento do caixa dois?

Não, porque o caixa dois não é influenciado pelo modelo de financiamento. O que faz com que ele exista é a falta de condições de auditoria, de verificar as contas. O que precisamos para combater o caixa dois é uma legislação que permita que a Justiça Eleitoral cumpra seu papel de auditar as contas de campanha, o que se faz também com leis. No nosso projeto de iniciativa popular, isso está muito bem tratado.

marlon reis 2

Em 2011, Márlon e sua mulher, a juíza Ana Lucrécia, conversaram com Bono Vox sobre a Lei da Ficha Limpa. Foto: Arquivo Pessoal
Como o senhor avalia, às vésperas da eleição, o suposto esquema de propina envolvendo a Petrobras?

Ainda se sabe pouco sobre o que aconteceu. Mas fiquei muito impressionado com as primeiras declarações, porque repetem muito do que está dito no livro, muito do que colhi nas minhas pesquisas, sobre a necessidade de se obter dinheiro ilegal para custear as campanhas eleitorais. A tentação de adentrar o mundo da ilicitude para ter acesso a recursos para campanhas afeta muito. Não é à toa que todos os grandes partidos brasileiros se viram nos últimos anos envolvidos em escândalos sempre relacionados ao tema do financiamento de campanha, e isso é culpa do modelo.
Um marco na luta contra a corrupção eleitoral foi a aprovação, em 1999, da lei que possibilitou a punição pela compra de votos. Passados 15 anos, por que essa prática segue sendo tão comum no Brasil?

Temos uma matriz eleitoral baseada em interesses patrimoniais. As eleições sempre foram vistas como momento de negócios, em que os detentores de riquezas negociam com os chefes políticos locais o apoio em troca de dinheiro e, por sua vez, esses chefes políticos negociam com os eleitores por meio de presentes e mimos oferecidos a título da compra de voto. Essa matriz cultural está impregnada no nosso sistema eleitoral.
É algo histórico?

Sim, e é por isso que precisamos tanto mudar. Há uma máxima na ciência política segundo a qual o sistema eleitoral molda o comportamento político. Para mudar esse comportamento da compra de votos, não basta criminalizar essa conduta. Não foi suficiente a aplicação de uma lei extremamente eficiente que já foi responsável pela cassação de mais de mil políticos desde 1999. Mesmo assim, não inibiu porque o sistema continua sendo o mesmo. Além de um grande número de punições, a Lei 9.840 serviu para mostrar como a compra de votos é um fenômeno generalizado no país, não é localizado em rincões e regiões pobres, como se imaginava. Se trata de uma postura diante da política, que pouco tem a ver com a riqueza da região. A questão é cultural, por isso temos de atacar o problema de duas formas: tanto na formação de uma cultura para a democracia, o que pressupõe uma educação para os civis, como também pela mudança profunda do sistema eleitoral que estimula essa prática.
O senhor está satisfeito com a aplicação da Lei da Ficha Limpa?

Estou. Sempre imaginei a necessidade de cinco eleições, 10 anos, para ela ser de fato compreendida, assimilada e bem aplicada pelos tribunais. Mas algumas das medidas que eu imaginava que só mais na frente estariam mais bem compreendidas pelo Judiciário já estão sendo aplicadas. Na eleição passada, os números finais mostram que, dos que tentaram concorrer mesmo sendo inelegíveis, 1,2 mil pessoas foram definitivamente barradas. E, nestas eleições, o número já supera os 240, e são eleições com muito menos candidatos.
Paulo Maluf e José Roberto Arruda foram barrados pela Lei da Ficha Limpa, masrecorreram e, por um período, continuaram em campanha. Como o senhor avalia essa situação?

Isso é uma falha que não é da Lei da Ficha Limpa. É uma falha da lei das eleições, que deveria prever que o registro de candidatura teria de ser julgado antes do início da campanha. Deveria haver um período prévio, de dois meses, para se discutir, e apenas os que tivessem registro concedido é que fariam campanha. Então, é uma falha da lei eleitoral que gera essa perplexidade. Enquanto eles vão recorrendo, seguem fazendo campanha.
O foro privilegiado para políticos tem razão de existir?

De maneira alguma. O foro privilegiado acabou se transformando em uma fórmula de impunidade, porque os tribunais não têm aparelhamento adequado para presidir ações originárias, ouvindo testemunhas, coletando provas. Então, o foro privilegiado precisa ser revisto. Nas entrevistas que fiz para o livro, ouvi que o mandato é muitas vezes buscado para assegurar a impunidade. Em uma sociedade verdadeiramente democrática, as instituições deveriam ser mais intolerantes com os mandatários, mas estamos em uma sociedade que é condescendente com os erros de quem deveria servir a sociedade.
Muitas vezes, o mesmo cidadão que acusa os políticos de serem todos corruptos não pensa duas vezes antes de furar fila, roubar sinal da TV a cabo ou comprar produtos falsificados. O pensamento do brasileiro também precisa de uma reforma?

Com certeza. Acho que há necessidade de incluirmos conteúdos mais relacionados à educação para a democracia nas atividades escolares, mas não da forma como isso acontecia na ditadura militar. Tratar de maneira crítica, aprofundada, estimulando a participação dos indivíduos. Precisamos fazer isso. Nossas crianças saem das escolas com volume baixíssimo de informações sobre o universo da política, que é o universo que determinará suas vidas. Precisamos, sim, de muito mais educação de qualidade para o exercício da democracia.

marlon reis 3

Durante o debate para aprovação da Lei da Ficha Limpa, Márlon participou de atos ao lado de artistas. Foto: Ivaldo Cavalcante / Câmara dos Deputados
A corrupção está no DNA do brasileiro?

Não. Acho que o brasileiro tem a percepção da gravidade e está disposto a se mobilizar. Já vi isso em algumas oportunidades, especialmente na conquista da Lei da Ficha Limpa, que não existiria se não fosse a pressão da sociedade brasileira. O Congresso não queria aprovar a lei. Inclusive, o senador Pedro Simon deu essa declaração em público, de que a lei não teria sido aprovada se não fosse a pressão popular. Acho que corrupção não está no DNA. Pelo contrário, é algo superável. Podemos superar isso.
O que o levou a cursar Direito e a seguir carreira na magistratura?

Foi influência familiar. Meu pai era advogado, se formou tardiamente, após os 40 anos. Eu era muito ligado a ele, e nas minhas férias – eu não morava na mesma cidade que ele – sempre acompanhava o trabalho dele, e isso me estimulou a escolher a carreira jurídica. Mas tenho que fazer uma confissão: só fiz a escolha na hora da inscrição para o vestibular. Não tinha nenhuma convicção.
O senhor já foi ameaçado alguma vez?

Já cheguei a passar um bom tempo sob escolta da Polícia Militar e da Polícia Federal, em virtude de ameaças sofridas por causa do trabalho contra a compra de votos no interior do Maranhão, devido a decisões judiciais e posturas como juiz eleitoral. Cheguei a receber telefonemas de pessoas dizendo que sabiam onde estava minha filha de 10 anos, que não estava comigo na cidade. Isso foi entre 1999 e 2001, um período muito crítico, em que eu estava realizando os comícios de cidadania contra a compra de votos.
Como o senhor vê a questão do racismo no Brasil? Já foi vítima de preconceito?

Já fui vítima algumas vezes. Em uma delas, eu tentava adquirir um computador em um grande shopping center de Teresina, no Piauí, e o único vendedor que estava na loja se recusou a me atender, dizendo que eu não teria condições de pagar. Foi um dia de muita revolta. Procurei policiamento e não encontrei, mas eu tinha algum compromisso e não podia ficar esperando. Já era juiz, sabia como agir, mas não consegui. Foi um dia muito traumatizante para mim. Mas, em outras ocasiões, também já recebi tratamento diferenciado em função da cor. O que nós precisamos é assumir esse problema como um problema real. O racismo não é algo que se resolva fingindo que não existe.
O senhor concorda que, no Brasil, há tolerância com os crimes de colarinho branco e que só pobre vai parar de fato na cadeia?

As estatísticas das condenações criminais não deixam dúvida sobre isso. Segundo dados a que tive acesso recentemente, 0,1% da população carcerária brasileira é integrada por pessoas que praticaram crimes contra administração pública. Por outro lado, temos uma grande maioria da população carcerária que praticou pequenos crimes contra o patrimônio privado.
A corrupção também afeta o Judiciário?

Afeta, mas de forma diferente. A política é mais afetada pela corrupção do que o Judiciário pela forma de composição, porque o sistema eleitoral, que estimula a corrupção, é o critério de escolha dos ocupantes do Legislativo e do Executivo. Isso não acontece com o Judiciário. Entretanto, há, sim, presença minoritária, muito pequena, mas extremamente grave. O Judiciário não pode ter falhas nesse campo, porque é o alicerce de toda institucionalidade. Se as pessoas não acreditam no Judiciário, fica difícil acreditar nas demais instituições. O que existe no Judiciário são comportamentos individuais. A solução para uma efetiva punição aos juízes que praticam corrupção passa pela utilização de mecanismos judiciais mais céleres que permitam a perda da vitaliciedade nesses casos.
O senhor acha justo que, em um país onde milhões de pessoas sobrevivem com menos de R$ 70 por mês, juízes recebam salários que, somando as chamadas “vantagens eventuais”, ultrapassam o teto do funcionalismo, que é de cerca de R$ 30 mil?

Os juízes integram uma carreira que, como nenhuma outra, não pode ter complementação de renda. Têm que ser pessoas extremamente dedicadas a uma só atividade. Os juízes têm uma série de restrições, que os colocam de uma maneira diferente de qualquer outro profissional. Por conta do tamanho das responsabilidades, é importante que sejam bem remunerados. O Judiciário, com salários baixos, deixa de ser um atrativo para as pessoas mais competentes, porque o meio jurídico tem várias carreiras melhor remuneradas.

marlon reis 4

O juiz viaja pelo país para divulgar o livro O Nobre Deputado, lançado em junho pela editora Leya. Foto: Quique Garcia / AFP
Mas com o valor atual do salário, os magistrados realmente precisam de benefícios como adicional por tempo de serviço ou auxílios saúde, moradia, pré-escolar e alimentação?

Considero o salário bastante adequado, mas também não é justo que haja um congelamento como estamos tendo há muitos anos. O correto é extirpar toda a forma de agregado e fazer uma atualização pelo menos com base nos índices de inflação.
O que o senhor pensa da democratização do Judiciário? Critérios políticos na indicação para cargos como o de ministro do STF não colaboram com a impunidade nos crimes de colarinho branco?

Há muita força do meio político na composição dos tribunais, e já chegou a hora de se rever isso. No TSE, há dois advogados que não passam sequer pelo crivo da OAB, que são escolhidos politicamente com a palavra final dada pela Presidência da República. No STF, a escolha é exclusivamente política. É preciso repensar isso, de maneira que se possa aumentar o controle social sobre os escolhidos para compor os tribunais. Deveria haver abertura, transparência e participação da sociedade na definição dos componentes dessas cortes.
O senhor tem planos de ingressar na política?

Não, plano nenhum. Mas também não descarto. Nunca pensei nisso e sigo muito feliz com minha atividade. Sou realizado naquilo que faço. Gosto de estar na magistratura, de despachar normalmente na minha comarca e das atividades complementares a que me dou direito, interferindo positivamente, a meu ver, na realidade do meu país.
Que conselhos o senhor daria para que as pessoas escolham melhor seus candidatos?

As pessoas precisam dar mais atenção à política. O volume de informação disponível para a escolha dos candidatos é grande, só que normalmente as pessoas não levam em conta o que sabem, mas o que entendem que mais lhe concederá benefícios. O conselho que eu daria é para as pessoas se esquecerem dos seus objetivos e pensarem no futuro, na coletividade, levando em conta o que sabem sobre os políticos do seu Estado e da sua região. Não dá para votar em quem não merece. O eleitor tem de escolher o candidato com melhor potencial, mesmo que aparente não ter muita capacidade eleitoral. Porque a riqueza da campanha ou a grandiosidade da propaganda não deve ser mais importante do que a seriedade, a honestidade e a competência do candidato.

Fonte: zh.clicrbs.com.b

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s