Estelionato

Tapauá – Polícia prende estelionatária que lesava indígenas há pelo menos 3 anos

Publicado em Atualizado em

A agricultora Cinete Vicente da Silva, acusada de estelionato, teria feito uma movimentação bancária de pelo menos R$ 200 mil em empréstimos ilegais. Maioria das vítimas são indígenas da etnia Apurinã

Tapauá, 25 de junho de 2011

A Policia Militar, com colaboração da FUNAI, CIMI e a Organização Indígena FOCIMP, desmascarou uma estelionatária que vinha atuando no município de Tapauá desde ano de 2008. A investigação começou no mês de abril do corrente ano, quando a senhora Rosa Souza da Silva Apurinã, de 60 anos, procurou a equipe do CIMI (Conselho Indigenista Missionário) para que fosse denunciado o ocorrido. D. Rosa Apurinã vinha há mais de 03 anos sendo lesada e enganada por uma procuradora conhecida como Cinete , que retirava seu beneficio de aposentadoria e não lhe repassava nada e ainda fez 02 empréstimos nos valores de 3.000,00 e 4.500,00 reais. No dia 15/06/11 voltamos a delegacia para procurar saber como estava a situação do processo, e fomos informados pelo delegado que iria pedir do Juiz uma ORDEM DE BUSCA E APREENSÃO, na casa da suposta estelionatária, tão logo fosse realizado essa busca iniciaria o inquérito, já tinha procurado essa senhora e a mesma negava as acusações, que era procuradora de mais de 15 pessoas. A Policia Militar através do delegado SGT. Rildo da Costa Santos e juntamente com o CB. Said e SD. Martins realizaram uma operação de busca e apreensão na casa da senhora Cinete Vicente da Silva e foram encontradas várias procurações, registro de nascimento Civil, Carteira de identidade, CPF, cartões magnéticos do Banco Bradesco e senhas de contas. A acusada na hora da operação trancou-se no quarto e começou a rasgar vários documentos, mas foram encontradas 15 procurações em seu favor, de indígenas da etnia Apurinã, todas as procurações de pessoas que recebem aposentadoria.

Alem disso foi encontrado na sua residência um boletim de ocorrência nº 1294/2010 do dia 15/10/2010 da delegacia Regional de Manacapuru, onde a mesma declara que senhora Rosa Souza da Silva Apurinã desapareceu da embarcação Silviane que estava na sua companhia e provavelmente estaria morta, mas uma mentira que a senhora Cinete inventou, pois a senhora Rosa está viva e é a denunciante. Além da senhora Rosa, a outra indígena conhecida como Santilha Apurinã ambas da comunidade indígena São João que foi mais uma vitima da senhora Cinete, que fez mais de 4 empréstimos nos valores 2.000,00, 800,00, 1.041,00 e 3.215,84 onde comprometeu todo o seu beneficio de aposentadoria.

Por Edilson Pinheiro & Vazos do Purus

Leia mais:

Agricultora desvia dinheiro de aposentadoria de índios no AM e ainda simula morte de um deles