Fraude

Ladra e corrupta: A maior fraudadora do INSS foi contratada pelo governo do Rio de Janeiro

Publicado em Atualizado em

Vários blogs e noticiários do Rio vêm afirmando que Jorgina de Freitas, a maior fraudadora da história do INSS, que ainda cumpre pena de prisão em regime semi-aberto, desde o ano passado está trabalhando todos os dias no CEDAE, que é a empresa estatal de águas do Rio de Janeiro.Ela foi contratada – pasmem – para ser assessora do Presidente Wagner Victer. Jorgina de Freitas é ex-procuradora do INSS, que em 1992, foi condenada junto com o juiz Nestor José Nascimento e o advogado Ilson Escóssia por fraudes que desviaram R$ 310 milhões do INSS, e presa na Costa Rica após ter fugido do Brasil. O jornalista Cláudio Humberto escreveu há algum tempo em sua coluna distribuída para vários jornais: “Que tipo de assessoria Jorgina de Freitas pode estar prestando a Wagner Victer? Bem, de água ela não entende, mas de fato, é inegável, passou uma boa parte da sua vida ‘chafurdando no esgoto’, desviando dinheiro dos aposentados e pensionistas deste País. Também não podemos esquecer que, se na Secretaria de Saúde o ‘mar de lama’ se espalhou, na CEDAE é um ‘mar de esgoto’, de tantas irregularidades praticadas na gestão de Wagner Victer…”

do blog: O Diário , de Londrina PR

Anúncios

URGENTE: “CASO CAMURÇA” – TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER DO ESCÂNDALO DE 2006

Publicado em Atualizado em

A cidade de Lábrea entrou esse início de 2011 na expectativa da chegada de uma diligência do Ministério Público para solucionar um dos maiores escândalos públicos de corrupção jamais visto na região do rio Purus. Os fatos que hoje vem a tona são de amplo conhecimento da sociedade, apesar da tentativa dos envolvidos em tamanho escândalo de   abafar de todo o jeito o ocorrido. Mas não teve jeito, O BLOG Vazos do Purus faz questão de retomar esse assunto colocando aqui um arquivo da época e que não se encontra mais disponível na rede mundial de computadores, confira:


Como se lê na matéria acima, publicada no jornal O Correio AM (atual CBN), no dia 10 de maio de 2006, a então vereadora Maria Cristina Adão Martins aparece como denunciante de uma série de fatos comprometedores que envolvem diretamente o então secretário de finanças do município de Lábrea,  Sr. Evandro Camurça, que a seguir foi afastado do cargo, e não se encontrou mais na cidade. Também o prefeito reeleito de Lábrea, Gean Campos de Barros. Cristina formalizou denúncia contra o prefeito dando entrada com processo formal no cartório na comarca de Lábrea com perecer urgente protocolado as 10 horas da manhã do dia 23/05/2006 pelo seu advogado , Dr. Luiz Fabian Pereira Barros com o seguinte titulo:

“Representação C/C pedido de instauração de ação penal por crime de responsabilidade, cometido pelo prefeito do município de Lábrea Gean Campos de Barros”

Na representação encaminhada pela vereadora Cristina, fica nitidamente exposto o crime denominado “Crime de Responsabilidade” cometido pelo prefeito Gean, que segundo ela e o seu advogado infringiu a lei orgânica do município , em seu artigo 73, ao expedir diversas notas de empenhos supostamente fraudulentos. Há também a acusação de uso de notas fiscais frias, superfaturamento de serviços prestados, serviços prestados a prefeitura por firmas pertencentes a funcionários e “laranjas”, uso de documentos de cidadãos – pessoas física e jurídica sem a autorização dos mesmos, além da não prestação de contas no exercício de 2005 e início de 2006, entre outros, que agora voltam a ser averiguados pelas autoridades competentes.

As acusações se remetem a um suposto “emprego irregular de recursos federais relativos ao FUNDEF (Ministério da Educação), aos Programas de Saúde Bucal e de Saúde Família (Ministério da Saúde), e ainda, ainda a não prestação de contas relativa ao exercício de 2005 e o não encaminhamento doa balancetes mensais de novembro/dezembro de 2005 e janeiro a abril de 2006”. A listagem das notas de empenho anexadas ao processo datadas de janeiro a outubro de 2005 totalizam o valor de R$ 5.716.319,13, tendo sido analizadas mais de mil empenhos no período.

É bom lembrar que existem vinte uma pessoas e quatro empresas que tiveram os seus nomes utilizados nas citadas notas de empenho as quais , após a denuncia foram ouvidas pelo promotor de justiça da comarca de Lábrea Dr. Gerson Castro Coelho no mês de abril de 2006.

Citemos como exemplo o caso do Sr. Ordeval Miranda de Andrade , cujo o nome foi utilizado em no mínimo dois empenhos, nos valores de R$ 2.001,56 (empenho N.1892) e R$ 8.000,00 (empenho N.1454). O Sr.Ordeval, conhecido em Lábrea , cidadão honesto e trabalhador, declarou  perante o promotor de justiça da comarca de Lábrea Dr. Gerson Castro Coelho, no dia 12 de abril de 2006, que naquele ano jamais recebera um centavo da prefeitura municipal de Lábrea, veja abaixo:

Vejamos agora o caso do Sr. Mario Alberto dos Santos Barros. Citado no empenho n. 1647, no valor de R$ 923,16. O Sr. Mário Alberto, distinto cidadão morador de Lábrea declarou em cartório que jamais recebeu qualquer quantia referida nos empenhos e que jamais assinou qualquer documento referente a eles, veja abaixo: 

 

Para que a população de Lábrea entenda em que pé está esse processo cabeludo que envergonha a todos nós simplesmente pela sua existência, no dia 11 de agosto de 2010, o Procurador Dr. Pedro Bezerra Filho emitiu uma CARTA ORDEM extraída da própria Representação Criminal (PROCESSO: No 2008.003610-2) em que ele determina que seja averiguado in loco as questões pendentes desse processo, que sejam ouvidas as pessoas envolvidas.  Curioso é que entre as pessoas a serem ouvidas nessa diligencia estão, além da Srta. Maria Cleide Barreiros Lopes, funcionária de Evandro Camurça no episódio das marmitas e hospedagens a Sra. Carmezita de Lima Costa, funcionária da Casa Costa, antiga “Casa Barros”, situada na rua Dr.João Fábio (ao lado da Promotoria de Justiça no centro da cidade), que qualquer pessoa na cidade de Lábrea sabe ser e confirma que é de propriedade do Excelentíssimo prefeito de Lábrea Sr. Gean Campos de Barros, que sempre é visto na referida loja de materiais de construção.

VEREADORES ARQUIVARAM A CPI –  POR QUE?

Vale lembrar que no dia 22 de fevereiro de 2008, foi aprovado na Câmara Municipal de Lábrea o requerimento n.001/2008 datado de 21/02/2008 de autoria dos vereadores Adalfrank Teixeira da Silva, Áurea Maciel Galvão, Antônio Augusto Moreira de Almeida, Evaldo de Souza Gomes e Raimundo Santana de Souza intitulado “Petição do arquivamento da Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI” e que, a vereadora Cristina ainda exercia o seu mandato na época do arquivamento da CPI, por ela mesmo solicitada.

 

Aguardamos com muita atenção o desenrolar dos fatos acima narrados com muita confiança de que a justiça será feita para o bem de toda a população de nossa Lábrea.

Drogaria vendia medicamentos falsificados e até maconha

Publicado em Atualizado em

Manaus , Janeiro de 2011

Dois estabelecimentos da Drogaria Curitiba foram lacrados nesta quarta-feira (26), na zona Sul de Manaus, após flagrante de produção e venda de medicamentos contrabandeados e proibidos como Citotec e falsificados como Viagra, Cialis e Pramil, além de anabolizantes grosseiramente falsificados. Na operação que reuniu a Delegacia Especializada dos Direitos do Consumidor (Decon), Divisão de Vigilância em Saúde (Dvisa) da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) foram apreendidas dezenas de caixas de medicamentos, além de mais de 10 quilos de maconha, informou o delegado Sandro Sarkis, titular da Decon. O proprietário, identificado como José Amarildo de Jesus, está com prisão preventiva decretada, mas permanecia foragido até a noite desta quarta-feira (26). A operação reuniu os vários órgãos, inclusive a Sefaz, porque, segundo informou o auditor fiscal de tributos do órgão, Fernando Marquezini, nenhum de quatro estabelecimentos da Drogaria Curitiba é regular – e a polícia pretendia lacrar os outros dois até esta quinta-feira (27).

Droga e fraude

No prédio da rua Presidente Kennedy, no bairro de Educandos, a quantidade de medicamentos apreendida foi enorme. Várias caixas contendo medicamentos falsificados, sem documentação de origem, foram apreendidas. “Ele tinha uma rede de crimes que envolvia desde o contrabando, a sonegação fiscal e a produção de medicamentos falsificados, pondo em risco a vida da população”, afirmou o delegado. A produção dos medicamentos era feita na loja do Educandos. Ali foram encontradas caixas com os nomes de produtos e embalagens que eram preenchidas com conteúdos alterados. Lacre Durante a operação na rua Presidente Kennedy, Sarkis recebeu a informação de que o proprietário iria tentar esvaziar o prédio em funcionamento na rua Leopoldo Péres, também no Educandos. Ao se deslocar para lá, teve dificuldades para conseguir abrir o estabelecimento, cujo prédio está com placa de venda. Mais de duas horas depois, os policiais entraram no local que, após vistoria, foi lacrado. De acordo com o delegado, o acusado já responde por vários processos por sonegação fiscal, fato confirmado em consulta no site do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Há um mês a polícia recebeu uma denúncia anônima e começou a investigar o caso. Ao perceber um movimento do proprietário para esvaziar os locais onde os crimes eram praticados, resolveu deflagrar a operação. As investigações contaram com a participação das delegadas Márcia Chagas e Eliene Alencar. Para Sarkis, pelos riscos impostos à população consumidora das drogarias, José Amarildo de Jesus é perigoso e deverá ser preso para responder pelos vários crimes cometidos.

Jornal A Crítica, em 27/01/2011

foto: A Crítica