processos

Delegado de Tapauá indicia prefeito eleito pelo crime de compra de voto

Publicado em

Para a polícia, há indícios que foram gastos mais de R$ 3 milhões no pagamento de eleitores em troca de voto.

A Polícia Civil indiciou o prefeito eleito do município de Tapauá, Almino Gonçalves (PSD), pelo crime de captação ilícita de voto durante o pleito deste ano. No inquérito, o delegado Walter Cunha concluiu que Almino é suspeito de, entre outras irregularidades, prometer presentes que vão de festas de formaturas a nomeações para cargos públicos.

O crime de compra de votos é previsto no Artigo 299 da Lei 4737/65 e, se comprovado, Almino pode até perder o mandato. Ele é suspeito, ainda, de pagar dinheiro para que eleitores votassem nele e de determinar a apreensão de títulos de eleitor dos que votariam em outros candidatos.

No inquérito, o delegado Walter Cunha indiciou Almino e  o empresário Wanderley Soares de Sousa, o Jacaré. Faltando uma semana para o dia do pleito, segundo o delegado,  Almino e Jacaré foram detidos, juntos, em um bairro de Tapauá.

No dia da prisão, Jacaré estava com uma lista que constava os nomes dos eleitores, a data de nascimento e os ‘presentes’ que iriam ganhar se votassem em Almino e ele fosse eleito.

Para a polícia, há indícios que foram gastos mais de R$ 3 milhões no pagamento de eleitores em troca de voto.

O secretário-geral do PSD, Paulo Radim, disse que as denúncias não têm fundamento e que os advogados do eleito e do partido vão provar no momento oportuno. A reportagem tentou contato com Almino por telefone, mas ele não atendeu às ligações.

Fonte: Portal D24

Leia Também:

 

Mais um evento em Tapauá-Am

Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) tem acervo de 144 processos para julgar

Federal prende o ‘Véi’ – prefeito de Tapauá

TRE pode mudar data de diplomação em Codajás

Publicado em

O presidente do TRE, ilustre desembargador Flávio Pascarelli, pode intervir no caso de Codajás, onde a juiza tenta apressar a diplomação do eleito Abrahm Linlcon, com dois processos de cassação do registro para ser julgados e outros de sua ex-administração que o conduziram à lista dos fichas sujas. Informações de bastidores asseguram que o desembargador estaria pedindo informações sobre a diplomação para decidir se muda a data ou não. A presidente do TSE estabeleceu a data de 18 de desembro para a diplomação, marco que o próprio TRE obedeceu, ao contrário da juíza de Codajás.

Fonte: Blog Da Floresta

Leia Também:

Prefeito eleito de Codajás se esconde da Justiça

Novo prefeito de Coari é mantido em lista de fichas sujas

Ministério Público Eleitoral do Amazonas apresenta 81 impugnações de candidaturas com base na Lei da Ficha Limpa.

Lei da Ficha Limpa barra reeleição de 31 prefeitos no Amazonas.

TCE-AM vai pedir intervenção em municípios inadimplentes.