SESAI

SAÚDE – ÍNDIGENAS EM TRATAMENTO EM LÁBREA PASSAM FOME POR DESCASO DA SESAI

Publicado em Atualizado em

Pacientes com doenças como tuberculose e malária alojados na Casai recebem apenas comida vindas de doaçoes de terceiros, como missionários ou comerciantes.

Manaus, 01 de Agosto de 2011

Pacientes indígenas com tuberculose e malária em tratamento no município de Lábrea (a 701 quilômetros de Manaus) por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) estão sem alimentação e água potável desde junho. Alojados na Casa de Saúde Indígena (Casai), os aproximadamente 50 pacientes e acompanhantes consomem apenas as refeições doadas por terceiros, como comerciantes e missionários, ou alimentos conseguidos por indígenas que moram na zona urbana de Lábrea, no sul do  Amazonas. As populações da região de Lábrea são atendidas pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) do Médio Purus, órgão subordinado à Sesai. A Casai fica localizada na rodovia Transamazônica. Na região do Médio Purus há 96 aldeias de 14 etnias diferentes, como apurinã, parintintin, paumari, jamamadi, katukina e deni. José Raimundo Pereira Lima, indígena da etnia apurinã e coordenador executivo da Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Purus (Focimp) disse que os pacientes só tomam café, almoçam ou jantam quando alguém faz doação. “Algumas vezes a gente mesmo leva, quando sai pedindo por aí ou consegue pescar aqui no rio na frente da cidade”, disse Lima, por telefone, de Lábrea. Lima afirmou que em junho passado a Sesai chegou a realizar uma
intervenção no Dsei do Médio Purus, mas nenhuma medida efetiva foi tomada. “O interventor Gustavo Nolasco Xavier esteve aqui e ficou apenas uma semana. Só fez promessas. Disse que iria ter um tal de pregão para comprar comida e até agora nada. Ele voltou para Brasília e nunca mais conseguimos contato. A equipe que veio com ele esteve em uma aldeia apenas para fazer atendimento de saúde, durante três dias, e agora está tudo na mesma”, disse Lima.Conforme a liderança indígena, o atendimento realizado nas aldeias durante a passagem de Xavier se restringiu a três dias, em apenas uma comunidade, a Marrecão. O indígena Mureci Macuvi, da etnia Deni, 42, acompanha sua esposa Eliana Bucuré, 35, em tratamento de tuberculose.

“A situação está muito ruim. Há mais de um mês a gente só consegue comer porque tem os missionários que nos ajudam. Tem muito ´parente´ passando mal. Ontem (domingo) ficamos o dia todo sem comer. Hoje eu só consegui porque vim aqui na casa de um amigo. Meu cunhado conseguiu um frango para assar e dar para minha esposa e meus três filhos que também estão na Casai”, disse Mureci.

Eliana Bucuré está em tratamento desde março em Lábrea. Mas, outros pacientes, segundo o coordenador-executivo da Focimp, tiveram que interromper o tratamento e voltaram para suas aldeias. Um pesquisador que trabalha em Lábrea disse que a falta de estrutura do Dsei do Médio Purus e a ausência do Estado na área leva faz com que os indígenas sejam “dependentes das ações paternalistas e assistencialistas das missões evangélicas”. Ele falou que os indígenas também não têm acesso a transporte para retornar às suas aldeias, problema que se agrava quando suas embarcações têm algum problema.

Sesai

Em nota oficial, a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde disse que o órgão encaminhou a Lábrea (AM) uma equipe técnica para o diagnóstico de gestão, atenção e assistência aos indígenas. A partir deste levantamento, que já está finalizado, uma nova equipe de técnicos da Sesai colocará, ainda esta semana, em prática um plano de ação emergencial para organização do saneamento, gestão e atenção, com prazos curtos pré-definidos em parceria com o controle social. Esta ação contará com a parceria do Dsei de Porto Velho (RO), que dará suporte logístico para o Dsei de Lábrea. Segundo a assessoria, o Dsei Porto Velho foi escolhido em virtude da maior proximidade geográfica (4 horas de carro) do que o Dsei Manaus, que anteriormente era o distrito de referência para o suporte ao Dsei de Lábrea. Assim, os profissionais de gestão do DSEI Porto Velho ajudarão na organização dos contratos para compra de alimentos, veículos, licitações e pregões, etc. Neste plano de trabalho, o Dsei Porto Velho, ainda essa semana, adotará todas as medidas necessárias para compra e fornecimento emergenciais de alimentos para a Casai de Lábrea. A equipe de atenção organizará ainda as ações de atenção básica, com escalas de intervenção em área e deslocamento para ações de saúde nas aldeias.

do Jornal a Crítica

foto: FOCIMP